sexta-feira, 15 de junho de 2012

Fase 7

O cinema argentino está muito a frente do cinema brasileiro. E digo isso em quase todos os quesitos, principalmente na realização e na criatividade narrativa. Exemplos disso são os sucessos recentes “Um conto chinês” e o oscarizado “O segredo dos seus olhos”, além de outros amontoados de bons filmes. Outra produção que se figura bem por lá é o apocalíptico “Fase 7”.

O longa é uma produção sobre uma pandemia viral que atinge a capital Buenos Aires. A trama, inspirada nos surtos de Gripe A que deixou o mundo em alerta há alguns anos, se concentra em um prédio que é colocado em quarentena pelas autoridades de saúde. Ninguém sai ou entra e os moradores estão à mercê do tempo para que suas vidas sociais voltem ao normal.

Em meio ao caos, a narrativa segue o ponto de vista do morador Coco (Daniel Hendler). Ele, que mora com a esposa Pipi, que está grávida, se une com o vizinho Horácio, uma pessoa que está paranoica com a situação e está precavida para uma possível ‘terra de ninguém’. Inclusive, é por meio de Horácio que vemos o significado do título, que está ligado a conspirações políticas sobre a redução controlada da população mundial.

A história e o ritmo começam ficar mais interessantes quando o pânico do isolamento e a escassez dos mantimentos tomam conta dos inquilinos que acabam criando uma pequena guerra no condomínio para se protegerem e sobreviverem. A partir daí, a produção se sobressai ao apostar numa perspectiva pouco convencional e, também, por ter bons momentos de suspense (com trilha sonora que lembra filmes de John Carpenter) com pitadas de insanidades, violência e humor negro.

O diretor e roteirista Nicolás Goldbart procurou fugir da seriedade temática e de argumentos batidos do terror (como zumbis) e criou uma atmosfera densa e dramaticamente descontraída. A figura ingênua e ‘heroi bunda mole’ do protagonista, bem interpretado por Hendler, é o responsável pelo tom irônico da película.

“Fase 7” cumpre o que promete e sua competência é suficiente para estar listado entre os bons filmes do gênero sobre epidemias. É legal saber que assuntos clichês e a eficiência de realizadores em fazer trabalhos consistentes com poucos recursos ainda podem render entretenimentos de qualidade.

Fase 7
ARG, 2011 – 95 minutos
Suspense / Comédia / Ficção Científica
Direção: Nicolás Goldbart
Roteiro: Nicolás Goldbart
Elenco: Daniel Hendler, Jazmin Stuart, Federico Luppi, Yayo Guridi
Trailer: clique aqui
Cotação: * * * *