segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

O Casamento de Romeu e Julieta

As vezes o cinema brasileiro tropeça em inserir a ‘estética televisiva’ em suas produções, o que pode condenar um filme ao fracasso. Apesar da aparência ‘Global’ de “O Casamento de Romeu e Julieta”, de Bruno Barreto, o longa até não faz feio ao seguir a cartilha da ‘sessão da tarde’: é bobinho, previsível, tem lá suas confusões e cenas divertidas.
 
A palmeirense Julieta (Luana Piovani) se apaixona por Romeu (Marco Ricca), um oftalmologista e corinthiano ‘roxo’. Em nome do amor, Romeu aceita se passar por palmeirense para agradar o sogro Alfredo Baragatti (Luís Gustavo), que é um torcedor fanático do Palmeiras, o que gera desconfiança e confusão em sua família composta por corinthianos.
 
O roteiro trivial é baseado em conto de Mário Prata e inspirado na famosa peça de William Shakespeare sobre duas famílias que não querem ver um casamento entre seus parentes. Para ‘abrasileirar’ a história, o futebol e seu fanatismo passam a ser as referências que opõem as duas famílias e servem de ‘cupido’ para o romance central.
 
A trama utiliza Romeu como artifício para criar algumas situações engraçadinhas, principalmente quando ele tem de fingir ser torcedor do Palmeiras para o sogro e se esconder da avó corinthiana Nenzica (Berta Zemmel) que não quer ver o neto casado com uma palmeirense. No final das contas ‘o amor é lindo’ e a lição de moral sobre fanatismo excessivo vem à tona.
 
A sensação é que a idéia sairia melhor como um seriado de TV e não como filme, já que, esteticamente, decepciona (as representações das torcidas e as coreografias de futebol são péssimas). O destaque da produção é a atuação caricaturada de Luís Gustavo que está impagável na pele um homem que ‘devota’ sua vida às cores ‘palestrinas’.
 
O Casamento de Romeu e Julieta
Brasil, 2005 - 90 minutos
Comédia / Romance
Direção: Bruno Barreto
Roteiro: Jandira Martini,Marcos Caruso
Elenco: Luana Piovani, Mel Lisboa, Luiz Gustavo, Leonardo Miggiorin, Marco Ricca
Cotação: * * *