terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Aposta Radical

Quando vi anunciando o lançamento de “Aposta Radical”, o filme prometia algo interessante. O cartaz bacana e, principalmente, o trailer que trazia cenas de parkour (arte de deslocar do corpo o mais depressa possível) me deixaram antenado.
 
Depois de ter lido a fraca sinopse (garoto que procura o agressor de seu pai que está em coma e enfrenta desafios de ‘gladiadores de rua’ no submundo de sua cidade) e visto a primeira meia hora de projeção, o meu ânimo foi diminuindo para com esta produção sueca. E não deu outra, o longa é meia boca e mal produzido.
 
“Aposta Radical” parece um filme amador. A película tem ritmo ruim, argumentos bobos e inconvincentes que promovem a ação, as cenas de parkour são convencionais e a edição é burocrática e de aparência televisiva. O único aspecto favorável são as lutas que, em sua maioria, são bem coreografadas.
 
Além disso, o roteiro não consegue amarrar as situações e as reviravoltas são mal arranjadas. É nítida que a direção não consegue equilibrar os clichês do gênero e se perde no foco das subtramas e no desenvolvimento dos personagens.
 
Comparando com outra produção semelhante, que também usufrui do parkour para criar cenas de ação, “Aposta Radical” é infinitamente inferior ao francês “13º Distrito”. O que sobrou no filme de língua francesa faltou nesta película sueca, que levou um tombo feio quando se trata de ousadia e criatividade.
 
Aposta Radical (Skills)
SUE, 2010 – 89 minutos
Aventura
Direção: Johannes Runeborg
Elenco: Marcus Gusta My Magnusson, Tim Man, Seanbanan Flip Ljungberg, Peter Andersson
Cotação: *